Design orientado a estigmergia

Design orientado a estigmergia

Você, caso seja alguém que trabalhe em áreas criativas, provavelmente já se deparou com esse meme abaixo. Você vê a comparação rápida entre alguém que planeja uma solução (o designer) e as pessoas ignorando o projeto e criando o seu próprio caminho (a experiência do usuário).

UX: The Ultimate Experience - Tech Blog

A sátira está na pretensão dos designers criarem um caminho sem pesquisar e analisar seu real comportamento do dia-a-dia. O planejamento não conta com o fato de que as pessoas simplesmente não querem passar por ali. O argumento é de que o design que não pensa nas pessoas é um mau design e o projeto falha.

Ok. Estou explicando uma piada. Mas estou colocando essa discussão aqui na mesa porque apareceu na minha timeline essa semana uma atualização do meme:

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
The pathways at Ohio State University were paved based on the routes students took before there were paved paths.

Aqui o meme é “corrigido”. Uma nova piada, mas o resultado claro de um trabalho quando o User Experience é considerado antes da concepção do projeto. Na verdade talvez nem houvesse projeto se não fosse percebida a necessidade real das pessoas. E essa é toda a beleza da coisa. Design ruim é sobreposto pela experiência de uso (primeiro meme) que provoca um projeto de reação às reais necessidades das pessoas. Um modelo constante, cíclico e que funciona.

Com um olhar holístico, é a percepção de uma sociedade se auto-organizando, como a estigmergia.

Design vs Estigmergia

Estigmergia é o mecanismo que permite a coordenação dos agentes de maneira indireta; Um comportamento estigmérico consiste em:

  1. O agente se comunica com os demais alterando o estado do ambiente (o caminho feito pelas pessoas no campo);
  2. O agente toma decisões baseando-se no estado atual do ambiente (o caminho é reforçado pelas outras pessoas até virar um projeto organizado de pavimentação).

A Estigmergia é um conceito introduzido por Pierre-Paul Grassé, um estudioso de formigas, para explicar como elas realizavam suas tarefas como insetos sociais, sem a necessidade de uma rainha, planeamento prévio ou qualquer gestão centralizada. As sociedades das formigas são auto-organizadas em estruturas que parecem inteligentes, embora não possuam qualquer tipo de controle e comunicação hierárquica.

Sociedades auto-organizadas

O UX Research, por exemplo, é uma das disciplinas que ajudam a entender melhor como as pessoas se comportam. Vamos atrás de entender suas motivações, seu dia-a-dia, pesquisando comportamento e também reagindo às formas como os agentes se relacionam com os ambientes.

A estigmergia adiciona um olhar interessante a essas discussões sobre como compreender o comportamento e co-criar com os agentes do ambiente para qual estamos projetando. Às vezes projetamos com o olhar fechado no indivíduo, mas as reações interconectadas das pessoas podem ser mais importantes que isso.

Nesse caso ter um olhar abrangente sobre como aquele grupo vai perceber nosso serviço fará toda a diferença.