Acessibilidade para dispositivos limitados

Smartphone by Richard BarrosNunca foi tão importante se preocupar com desenvolvimento de sites para dispositivos móveis, mas apesar da mobilidade já ser uma realidade para o brasileiro, a web parece não estar preparada ainda.

Sobre a deficiência Tecnológica

O alerta começou com a disseminação dos Palms e PDAs e logo depois com a chegada dos blackberrys e smartphones às lojas de telefonia. Dispositivos que mereciam uma atenção especial por possuírem resolução de tela limitada (geralmente 320×240 a 640×480) e por não estarem inicialmente acessíveis a plugins como o do Flash Player, por exemplo.

Há alguns meses com o lançamento do OLPC (One Laptop Per Child), uma nova categoria chamada subnotebooks surgiu. O Asus EEE, o XO e o Classmate são exemplos disso, computadores portáteis com monitor de 7 a 12 polegadas, alguns com Windows e outros com Linux e com resolução de tela entre 640×480 e 800×600.

Usuários acessando a web com dezenas de dispositivos, sistemas operacionais e browsers diferentes.

Conceitos e Métodos

O feijão com arroz de um site acessível é ser criado totalmente nos novos padrões web. Ou seja, HTML semântico, Javascript não-obstrusivo e Layout todo no CSS (tableless).

Veja o que fazer para tornar o conteúdo adaptável ao máximo número de usuários:

  1. Evite Flash ou ofereça conteúdo alternativo.
  2. Use layout líquido/fluído ou ofereça alternativas de resolução
  3. Organize sua Tab Index e permita uma boa navegação usando apenas as teclas Tab e Enter (sem utilizar o mouse)
  4. Preencha todos os atributos ALT descrevendo as imagens
  5. Possibilite aumento da fonte Рlembrem-se que definir font-size com unidade px bloqueia a altera̤̣o do tamanho da fonte em alguns browsers.
  6. Botão Ir para conteúdo no início da página agiliza a navegação.

Existe ainda o bom senso de evitar que a navegação dependa da interpretação de icones, imagens ou cores específicas. Mas no fim das contas acessibilidade é respeitar o usuário e simplificar a navegação, favorecendo sua usabilidade.

Na prática

Pensando na importância de desenvolver interfaces mais acessíveis, fiz alguns estudos e adicionei aqui no blog recursos como seletor de resolução e um algoritmo para identificação de dispositivos móveis.

Screen Mobile Richard Barros

Na imagem, a versão mobile deste site, que é carregada automaticamente quando acessado por um dispositivo móvel.

Entenda melhor as necessidades do usuário lendo as normas da WCAG aqui.